domingo, 21 de setembro de 2008

GUERRA DE KOSOVO


E aí galera da Escola Emílio Tarragô!



Este blog é a última atividade referente ao último conteúdo que estudamos em Geografia: a fragmentação da antiga Iugoslávia.


Este espaço é de vocês!!!

Cabe ao grupo publicar postagens a fim de que possam esclarecer os acontecimentos que resultaram na Guerra de Kosovo, além de complementações que julgar necessárias.

A avaliação deste trabalho será através das informações deste blog... Portanto, MÃOS Á OBRA!!


Bom trabalho!!!


Profe Cris

9 comentários:

Michy Santos disse...

No dia 24 de março, na Iugoslávia, iniciou-se uma guerra. De um lado,
Kosovo, uma das províncias que constitui a Iugoslávia, lutando pela sua
independência, e de outro, o presidente iugoslavo, Slobodan Milosevic,
que não quer aceitar tal decisão kosovar. Kosovo é uma
província que tem uma composição étnica e religiosa diferente da
maioria da Iugoslávia, que é sérvia. Os kosovares são de origem
albanesa e muçulmana, enquanto os sérvios são cristãos ortodoxos.
Como 90% da população de Kosovo é albanesa, iniciou-se um
movimento gerado pelos kosovares que busca a separação de sérvios e
albaneses, para que estes últimos tenham sua própria autonomia.
Milosevic afirma que considera Kosovo como o berço do
nacionalismo sérvio, pois lá, em 1389, eles foram derrotados pelos
invasores do Império Otomano. O presidente também argumenta que quer
evitar que a Iugoslávia perca mais territórios do que já ocorreu no
começo dos anos 90. E por tais razões, não quer ceder liberdade ao povo
kosovar.
A OTAN, alegando motivos humanitários e buscando evitar uma
limpeza étnica (se refere a expulsão ou eliminação de uma etnia de um
determinado território) promovida pelo Milosevic para expulsar os
kosovares, de etnia albanesa, e fazer dos sérvios a maioria em Kosovo,
interviu na guerra e obrigou Milosevic a aceitar o acordo de
Rambouillet, que propõe autonomia administrativa e cultural para a
província de Kosovo, mas sem independência (já que a OTAN e seus
aliados temem que outras regiões acabem sendo influenciadas e,
conseqüentemente, independentes).
Tal acordo foi apresentado como sendo a última alternativa
para Milosevic depois de várias propostas lançadas pela OTAN e
ignoradas pelo presidente iugoslavo. A OTAN supôs que, bombardeando a
Iugoslávia com tropas aéreas, Milosevic se renderia e aceitaria as
exigências da aliança, mas, a resistência do presidente aos ataques
surpreendeu a OTAN e esta, não tem outro plano a não ser entrar com
tropas terrestres no território iugoslavo.
A Rússia, mesmo sendo aliada da Iugoslávia (russos e
sérvios são eslavos e cristãos ortodoxos), não pode entrar no conflito
militarmente, já que depende da ajuda econômica dos Estados Unidos e do
FMI. E por meio da OTAN, os Estados Unidos procuram “administrar” a
guerra, patrocinando ataques contra a Iugoslávia, já que temem que o
conflito entre os sérvios e albaneses de Kosovo pudesse se expandir e
acabar envolvendo outros países da região e, conseqüentemente,
desestabilizando a Europa, um dos principais continentes responsáveis
pela manutenção da hegemonia americana no mundo.
A OTAN, principalmente os Estados Unidos, não deveria
intervir numa guerra em que a pátria, o território e a população dos
países que compõem tal aliança não está envolvida.
Certamente, a população vítima da guerra, os kosovares, conseguiria
chegar num acordo com a Iugoslávia, sem ter que sofrer bombardeios e
mortes geradas pela interferência da OTAN, já que estes quiseram entrar
na guerra como os senhores justiceiros responsáveis pela paz no mundo.
Estes bombardeios que iriam servir para intimidar a Iugoslávia estão
massacrando a própria população kosovar. Ou seja, a OTAN está,
simplesmente, facilitando o trabalho dos sérvios, que era fazer uma
limpeza étnica na Iugoslávia, especificamente em Kosovo.
Os kosovares estão sendo manipulados e usados pela OTAN e pelos Estados
Unidos para que estes últimos consigam atingir seus objetivos de
domínio, influência e manutenção da atual hegemonia americana no mundo.
Eles estão sendo, mais uma vez, egocêntricos e egoístas.

Michelle S. Santos

a vida de uma estudante disse...

O conflito de Kosovo é usualmente usado para descrever dois conflitos armados e seguidos na Província da Sérvia.

Esses conflitos foram:

*1996-1999: conflito entre forças de segurança Sérvias e Iugoslávia e o exército de libertação do Kosovo, uma guerrilha formada por integrantes de origem étnica albanesa que lutava pela independência da província.

*24 de março-10 de junho de 1999: Guerra entre a Iugoslávia e a OTAN, quando a OTAN atacou alvos iugoslavos, seguiram-se os conflitos entre as guerrilhas albanesas e as forças sérvias e formou-se um grande número de refugiados.

Talita disse...

OI PROF CRIS!!
Esse é o meu comentário sobre a guerra es Kosovo, que na minha opinião é uma luta desnecessária pois em pleno 2008 não deveriam ocorrer massacres nem guerras contra povo nenhum!

A maioria da população de Kosovo, de origem albanesa e religião muçulmana, queria a independência em relação a Iguslávia, que não aceitava esta atitude de maneira alguma, a minoria populacional sérvia apoiou a Iugoslávia em suas violentas repressões contra os kosovares.Desse modo o conflito promoveu milhares de mortes e um milhão de refugiados.
Em 1998 as atrocidades sérvias tornaram-se mais intensas, e a maioria albanesa passou a ser massacrada, pessoas eram expulsas de suas casas ou fuziladas por poderem contribuir de alguma forma na luta albanesa.
O conflito passou a chamar a atenção do mundo e também receber apoio a independência de Kosovo, o governo Iugoslavo então iniciou um verdadeiro genocídio contra os kosovares.
Em 1999 aa forças armadas da Otan promoveu milhares de bombardeios na ex-Iugoslávia e nas áreas dominadas pelas tropas sérvias, obrigando-os a assinar um acordo de paz retirando suas tropas do Kosovo. Muitos refugiados puderam assim voltar ao território e tentar reconstruir suas vidas.
Até hoje kosovares albaneses e sérvios não se entendem, até porque os sérvios apoiaram o massacre contra os albaneses promovido pelo governo iugoslavo.Em 2004 ocorreu o pior conflito entre as duas etnias.
Os bombardeios e os massacres arrasaram o território e a economia , que vão necessitar, ainda muito tempo para voltar a uma situação estável e sem miséria.
A maioria da população ainda almeja a independência, mas será difícil reconstruir Kosovo de uma maneira harmoniosa.

Taís Rieff disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Taís Rieff disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Taís Rieff disse...

Oi!!!!!!!!!!
Bom, lendo um pouco sobre a guerra de Kosovo pude perceber como aconteceu esse conflito, e então vou escrever o que entendi:

Mais uma vez a ex-Iugoslávia tentou "limpeza étnica", para abolir os albaneses que são a maioria da população da província de Kosovo e são professas da religião muçulmana.Esse conflito conflito gerou milhares de mortes e por volta de 1 milhão de refugiados.
Lutando pela independência de Kosovo, em 1996 foi criado um grupo gerrilheiro, o Exército de Libertação do Kosovo (ELK), oriundo da etnia albanesa.
A Sérvia fazia parte das atrocidades contra os albaneses, e estes horrores aumentaram quando o governo iugoslavo parou de agir de forma disfarçada, e passou a massacrar abertamente a etnia albanesa, fuzilando pessoas simplesmente porque eram jovens e poderiam tornar-se guerrilheiros ou dar á luz a mais albaneses e expulsando famílias de suas próprias casas.
Esse conflito já chamava a atenção do mundo, e uma opnião favorável à independência de Kosovo começava a crescer em vários países,principalmente na Europa. Para tentar impedir que isso acontecesse, o então governo iugoslavo iniciou um verdadeiro genocídio contra os Kosovares.
A Otan promoveu milhares de operações aéreas de bombardeio na ex-Iugoslávia e nas áreas de Kosovo dominadas pelas tropas Sérvias. Houve uma gigantesca destruição tanto em Kosovo como na Sérvia.
Finalmente em 1999, o governo iugoslavo assinou um tratado de paz concordando em retirar suas tropas de kosovo e permitiu o controle desse território pelas tropas da ONU. Após o acordo de paz muitos refugiados albaneses retornaram ao seu território na tentativa de reconstruir sua vida, e muitos sérvios abandonaram essa província desde então, pois temiam o aumento da violência étnica dos albaneses.
Atualmente a situação de Kosovo permanece indefinida. Oficialmente ele ainda é uma província da União da Sérvia e Montenegro, mas a maioria da sua população quer a independência. Dificílmente os kosovares ou albaneses vão se entender com a minoria sérvia, pois ela foi cúmplice no massacre que a Iugoslávia promoveu contra eles. Os massacres e bombardeios arrasaram o território e a econômia de Kosovo, e provavelmente vai demorar muito tempo para que esta província consiga se reerguer e ter uma situação estável e sem miséria.

Erik disse...

A Guerra de Kosovo foi causada pela intervenção da OTAN por meio de bombardeios aéreos na Iugoslávia, para interromper a expulsão de albaneses étnicos de Kosovo pelas forças servias.

Kosovo é uma região da Iugoslávia habitada em 80% por albaneses étnicos, que são pessoas de origem albanesa e muçulmana.

Por que os sérvios brigam por Kosovo ?

Porque Kosovo e a região Sul da Iugoslávia eram o território original da nação Sérvia da Idade Média. Os sérvios saíram de lá para fugir da dominação turca, que durou do Séc. XIV ao XIX.

Porque os albaneses brigam por Kosovo ?

Há duas justificativas: os albaneses são majoritários e existem albaneses em Kosovo desde o domínio turco.

Em 1989, com o fim da Iugoslávia comunista, o presidente sérvio Slodoban Milosevic tirou autonomia dos albaneses de Kosovo. A tensão foi crescendo até o surgimento do exército de Libertação de Kosovo ( ELK ) que é uma guerrilha albanesa.

No ano passado, o governo da Iugoslávia decidiu agir pesadamente contra o ELK. Acusações de que estariam ocorrendo expulsão, massacre de civis albaneses e suspeitas de campos de concentração levam à intervenção da OTAN, no dia 24 de março de 1999.

Erik disse...

De repente os sonhos De uma menina de 11 anos é ceifado por uma guerra que destrói sonhos e mata esperanças.
No "Diário de Zlata - A vida de uma menina na guerra" temos um contato direto com a guerra de Sarajevo de setembro de 1991 a outubro de 1993.
O diário relata a dor e tristeza de uma menina que antes de completar onze anos acorda num mundo que não é igual ao das outras manhãs: a sua escola fecha, falta luz, comida, água, seus amigos morrem...os pátios por onde ela derramava seus sonhos são destroços de ataques áereos.
Um livro forte, emocionante, que faz-nos perceber o quanto a inocência de uma crinaça se perde meio a tanto sangue, gritos e dor.Mas, que por outro lado, o quanto uma criança luta para conservar a beleza de sua vida: estudando, lendo, comemorando ocasiões especiais.
"O Diário de Zlata - A vida de uma menina na guerra" é um testemunho de coragem, fé e vida no meio a tanta dor.

helio cainelli disse...

cris entre em contato sobre a familia cainelli
eu sou helio cainelli
11 9.5770 3766 vivo